segunda-feira, outubro 23, 2006

Ode a Olivia Palito

E aqui estou Euzinha da Silva abordo do meu primeiro veleiro pronta para me tornar uma navegante profissional, uma sereia de primeira mão (bem, primeira mão talvez seja um exagero), a verdadeira descobridora dos sete mares, a nova Cabral!

Foi amor a primeira vista, eu e o mar. Eu sereia seria ainda um dia! Me lembro dias agonizantes na colonia de ferias Duque de Caxias, armada com uma abominável touquinha de algodão listrada, tendo aulas de sobrevivência em alto mar. Parece piada, não e? Mas não foi, meus primeiros ensaios com o mar foram mais a la Pateta nas Olimpíadas do que Esther Williams e suas glamorosas gatinhas aquáticas. Enfim, mais do que aquática, resolvi que já era hora de me tornar náutica! E assim Pippin chegou na minha vida; um pedaço de barco! Trinta e seis pés de pura delicia navegatoria da mais alta classe. Ai, e que nariz! Dava até para brincar de Titanic, abrir os braços e abraçar céus e terra.

Ei, mas não fique ai pensando que Pippin caiu do céu no meu colo não! Ele foi uma verdadeira estratégia de vida, a qual vou compartilhar, sem pestanejar, a receita. Arrange primeiro um Grande Amor. Visualize-o grandão, mais jovem, aquático, gostoso e amante do mar e agora, o mais importante: imagine-o na cidade dos seus sonhos! Cidade portuária com muitas possibilidades. Mais uma vez imagine-se morando bem longe, porque chances são que se o amor chegar fácil não acaba virando o tal Grande Amor! Qual é a mulher que não gosta de uma complicação?

Enfim voltando ao assunto, Grande Amor já enlaçado, mergulhe de corpo e alma no mundo dele, sem exitar - aventuras só acontecem para os destemidos, seja brava! Agora bota a tal fezinha, assim quem sabe você da a sorte que eu dei - Ganhar um veleiro no dia do seu aniversario! Parece estoria de novela (ok, talvez destas que passem no canal Discovery na qual o protagonista é um carinha magrinho, feio para burro navegando uma canoa para o Polo Norte, e vivendo de ração), mas no meu caso aconteceu de verdade. O Grande Amor colocou aos meus pés de pato, a possibilidade de dar a volta ao mundo. E eu ganhei o mundo de presente!

Neste momento a escritora da uma parada e pinga colirio nos olhos para afastar o olho gordo, da uma olhadinha a sua volta e se certifica que esta segura! Xo, safadas alheias, esse Grande Amor é meu.

Bom, voltando ao que interessa, fiz umas comprinhas básicas: potinho de caviar, champanhota, patezinho de fois, azeitonas kalamatas e um maillozinho que era um luxo e la fomos nos na nossa primeira velejada.

Não tem nada que descreva a emoção de estar em um mar de águas turquesas cristalinas sem relógios, sem horários, sem rotina, a verdadeira liberdade existia enfim. Ver o sol cair no mar, gigante e ver depois sair do mar a lua majestosa imensa e avermelhada é algo assim eletrizante! Comemos caviar, nos comemos, lambemos os beiços, nos lambemos e dormimos comemorando os mares que estariam ainda por vir. A vida é azul, minha gente!

Segundo dia de maruja, acordo meia torta. Dormir no mar é uma ciência exata, meio assim como dormir na rede com um sobrinho chato empurrando sem parar! Você acaba não lembrando se dormiu de tontura ou de sabedoria. Disposta a causar, procuro o meu maillotzinho e corro para o banheiro (sim Pippin tem banheiro!), com o meu kit beleza – o novo gillette Venus três lâminas, a escova de cabelo e um brilhozinho tangerina para os lábios.

Olho no espelho e grito... Dormi salgada e os cabelos "frizê" me fazem lembrar da Gal no melhor estilo Tropicalia. O mar acordou nervoso e sacudido, controlar a juba se revelaria tarefa dificilima! Juba ordenada, eis que vem então a depilação (para quem acompanha os episódios de Fear Factor, digo que ainda não vi uma prova de tamanha coragem). O banheiro é pequenininho, como desses de avião, me coloco em pé, prendo a respiração, um joelho na parede outro pé na pia e rezo pela vida e pela dignidade de ser sereia linda, devidamente cuidada, lisinha para as carícias do Grande Amor.

Foi quando me dei conta que quase matei o Grande Amor de fome.... a aventura depilatória levou quase uma hora! Faço uns sanduichinhos mais moderados e realisticos para a vida no mar e vou celebrar a minha nova achada coordenação motora, aquela perdida na infância trocentos anos atrás.

Velejamos de volta para a Marina, eu musa. Ele feliz. Eu topless no convés, ele capitão em ação! Aproveito o tempinho gostoso e me involvo em pensamentos, acabo de descobrir minha nova idala: Olivia Palito – cabelos sempre impecavelmente penteatos em coquinhos maravilhosos a prova de tropicalismos! Saia longa e pretinha ate o pé, que além de emagrecedora, esconde os possiveis dias não depilados. Blusinha vermelha e de mangas compridas, resistente aos ataques dos mosquitos que a espera na Marina. E como nao citar,objeto disputado do amor de dois grandes homens! Mais esperta do que eu, ela acostumou o seu Popeye a comer espinafre de LATA! Olivia sua anorexia é chiquerrima e sua sabedoria, sem preço. Para todo o resto, tem Mastercard!

Um beijo salgado para todos que me leem! Smack de Sereia.