quarta-feira, janeiro 11, 2017

Confissões de uma Fanática por produtos de arte! Parte 1, A Origem!

Vamos lá neste primeiro artigo sobre um dos meus assuntos favoritos.  Papo arte!  Eu lembro bem meus primeiros passos como artista e a dificuldade de achar os materiais certos, as dicas certas, os amigos artistas certos. Na aventura em busca do produto perfeito - quase sempre importado e muitas vezes inacessível, levei vários tombos. Comprei muitas vezes o que não precisava, não era adequado e em tantas outras perdi a oportunidade de comprar o material certo.  Então aqui neste cantinho do blog, vou dividir meus conhecimentos, opiniões e informação com vocês. Sou artista plástica e ilustradora trabalhando no meu  atelier em Miami. Bora neste papo arte comigo! Bora criar!

E tudo começou no Rio de Janeiro trocentos anos atrás...



Paixão que chegou na minha vida em latinhas! Latinhas maravilhosas dos lápis de cor.  Eu acredito, que sem considerar o giz de cera, todo artista começou com o lápis de cor na mão. Foi com eles que nós  todos começamos a colorir um mundo imaginário, a criar nossa própria realidade.  Eu reintero,  nós  todos mesmo, porque quando somos crianças somos todos artistas e como diz Picasso, "o difícil é  continuarmos artistas!"  Então o lápis de cor se torna uma máquina do tempo e nos remete ao momento em que nao tínhamos medo de criar.  Nãé atoa que los livros de colorir estão de volta. . Viva o lápis de cor! 


Meu primeiro encontro com o lápis de cor se deu no Jardim de Infância. Eu jamais esqueço a marca ou a caixinha. Este aí mesmo, o da Arara. Mal sabia eu que o Faber-Castell tão facilmente disponível no Brasil, era um lápis de alta qualidade e na realidade falava Alemão!  Produzido para o mercado Brasileiro, ele era um gringo disfarcado de amazonico!  Eram 12 cores apenas e naquela epoca eu nem sabia que se misturavam. Todos as minhas criaturas eram marronzinhas com cabelos amarelos, pretos ou cor de cenoura! 


Mas eventualmente a variedade aumentou quando ganhei a caixinha que ficava em pé sozinha com 24 cores.  Tinha rosa clarinho e neste momento todas as minhas criaturas passaram a ter a pele rosa! Grande progresso.



Neste momento, a Kiki artista e ilustradora nasceu. Nasceu colorindo tudo a sua volta. Ainda posso lembrar o cheiro dos meus primeiros lapis.. as raspinhas apontadas das madeiras. 


No começo da minha adolescência, fiz uma grande descoberta! Descobri o mundo dos Caran D'Aches, lápis aquarelados. Nao eram vendidos no Brasil, eram Suíços legítimos, um tanto esnobes! Eu tive a grande oportunidade de ter colegas de classe que tiveram os Carans primeiro e compartilharam comigo.


A riqueza do pigmento, a vibração das cores, eu jamais tinha visto ou usado um lapis de cor como este. Tudo o que ele fazia e alcançava! E eram misturaveis e solúveis com água! Uma delicia para as mãos e os olhos. Me levou ainda mais dois anos para que eu pudesse comprar minha primeira latinha de Caran D'Ache SupraColor I.  Eu lembro como se fosse ontem quando me deparei com eles em uma loja de Duty Free durante uma viagem. Eram eles, os Suissos! A latinha tinha uma fotografia dos Alpes Suíços maravilhosamente viciante como um bom chocolate. Os Suíços sabem nos pegar assim na alma. 


Com esta mesma latinha criei minhas primeiras ilustrações profissionais, vendi arte pela primeira vez na vida e criei os personagens de tantas das minhas histórias infantis. Ainda tenho este mesmo set ate hoje! Sim os mesmos amados. O meu estojo tem 38 anos e os lapis continuam criando arte vibrante como no primeiro dia em que abri minha latinha Suíça! Eles ocupam uma posição privilegiada no meu coração e no meu atelier e sempre que vou ilustrar uma peça emotiva, tiro eles da prateleira e sempre termino o trabalho com lagrimas nos olhos. 

Assim tudo começou, Tenho carinho enorme pelos meus materiais de arte. Num artigo futuro vou falar sobre a diferença entre os lapis de cor e compartilhar os meus favoritos. Existe um a lapis certo para cada situação!



Kiki Hamann, orgulhosamente artista.



Nenhum comentário: